Sapatos Limpos

1sa

 

Algo tocou seus pés e foi o bastante para acordá-lo. Olhando para a rua, notou os primeiros carros a cortar os sinais vermelhos da madrugada, castigando o asfalto ainda gelado. Estava acostumado, todos os dias eram assim. No entanto, sempre agradecia por ter onde morar, e por mais um dia, e esses pensamentos ele nunca se esquecia de rezar.

Lavou o rosto e aprumou seu terno bem passado e cuidado, limpo de maneira que em todas as manhãs parecia vestir um novo; os cabelos sempre penteados e cortados, a barba um pouco grande – é verdade -, mas porque gostava e não por desleixo só. Guardou a roupa com a qual dormira e, observando a cidade que aos poucos despertava lá embaixo, seguiu seu caminho para o trabalho. Era uma tarefa difícil, fazia-se necessário que lidasse com muitas pessoas, de lugares diferentes, jeitos e culturas diversas, e a sua argumentação e a sua técnica eram cruciais para a efetivação dos negócios – talvez, não tão cruciais como o sorriso que sempre deixava estampado no rosto ou a simpatia e a educação, mas eram importantes também.

Teve de aprender seu ofício sem que ninguém o ensinasse, e, da primeira vez em que procurou emprego, sofreu uma das mais terríveis humilhações. Mas tudo é aprendizado debaixo desse céu, dizia ele.  Àquela altura da sua carreira colhia respeito, por onde caminhava era cumprimentado, nos corredores recebiam-no com um tenro sorriso e os chefes o adoravam. Ouviu tantas vezes a frase que o trabalho dignifica o homem, e acreditava tanto nisso, que imaginou receber o fruto dos seus esforços assim: trabalhando. Uma vez, um dos seus clientes perguntou se apenas o trabalho dignifica o homem, pois, assim, aquele que por ocasião de saúde não pode trabalhar não teria dignidade também! Chegou à conclusão de que haveria outros modos de se alcançar essa tal dignidade, mas o seu caminho seria o trabalho honesto e a dedicação, a responsabilidade e a boa educação.

Aconteceu que, neste fatídico dia, envolto numa de suas conversas filosóficas com algum cliente, perdeu por um momento o sorriso que portava noite e dia – noite não, pois era hora de descansar -, e eis que quando tal sujeito pisou em seu campo de labuta, nosso trabalhador logo notou como os sapatos daquele homem estavam sujos. Os sapatos podem demonstrar a personalidade de uma pessoa, ou, na pior das hipóteses, o quão alguém é organizado, higiênico e vaidoso. Aqueles sapatos, em especial, estavam maltratados por demais. Logo desvencilhou seu olhar dos seus pés e cumprimentou-o educadamente, fitando-o nos olhos e convidando-o a se sentar.

– Muito bom dia, meu senhor!

– Pois este será mesmo um grande dia!

Respondeu quase irônico, se é que irônico não foi, pairando à implicância, e, sem que precisasse perguntar-se mais nada, o homem dos sapatos sujos dispôs-se a contar breve e euforicamente os últimos dias que vivenciou. Contou que trabalhava apenas algumas horas por dia, mal-assinando alguns papéis mal-lidos e mal-escritos em muitas das vezes, despachando ordens, sentado em sua cadeira importada e mergulhado no conforto dum aparelho que condicionava o ar – de modo que enquanto cá fora ventava, dentro de sua saleta se acalorava e vice-versa – e, sem que precisasse perguntar, de novo, o homem que trabalhava pouco exclamou contente que conseguira seu posto após a indicação de um parente influente.

– Que homem de sorte!

Pasmou-se diante de seu cliente, pasmado. Mas, eis que quando começou a contar sobre todas as suas regalias e todo o conforto da sua casa, sem que fizesse o mínimo esforço, foi informado que o serviço terminara. Retirando algumas notas do bolso, pagou-lhe com sobras às quais chamou de esmolas – e com os sapatos agora limpos e brilhantes seguiu seu rumo afora, desligou o alarme do carro e queimou seus pneus no asfalto já aquecido do trânsito intenso.

Enquanto seu mais novo cliente partia, sentindo-se estranho guardou as notas recebidas no bolso. Pegou sua caixa de engraxate, aprumou os cabelos no vidro duma vitrine qualquer e seguiu a passos lentos de volta também para a sua casa. Os corredores pelos quais caminhava e todos o cumprimentavam eram as ruas, e a sua empresa não possuía sede determinada – podia ser aqui, acolá, quando e onde o chamasse, pois seu serviço era bem feito. Dia e tarde, às vezes à noite, andava pelos cantos e becos limpando os sapatos de alguém – mas os seus estavam sempre limpos…

E andou e pensou e trabalhou tanto àquele dia, que quando deu por si já escurecia. Retornou ao seu lar, trocou de roupa e guardou seu terno engomado, lavou o rosto e pensativo foi dormir. Mas, do outro lado da rua, olhando pela transparência dos vitrais de um restaurante caríssimo, dois homens conversavam sobre o mesmo assunto que eu converso agora convosco. Um deles contando ao outro sobre a história daquele trabalhador, descansando a cabeça na sua caixa de engraxar, ali no canto duma calçada qualquer e a olhar o teto do seu lar a brilhar. Ao final do conto, diante de seu prato que nem em uma garfada se arranhara, a tristeza daquele ouvinte perguntou, baixinho, para a vida, sobre o mérito dos que vivem. Mais que isso, indagou-a sobre o mérito de quem trabalha e, além, clamou à Justiça. Ao passo que se a Justiça tivesse boca, exclamaria:

– Há alguma coisa de errado aqui.

O teto do seu lar era no céu ao reluzir de qualquer estrela, o seu despertador alguém que o chutava pela manhã, a sua educação estampada não em títulos e sim no se abrir verdadeiro de alguns sorrisos, o seu travesseiro um pedaço de madeira – mas os sapatos estavam sempre limpos.

Conto presente na obra “Contos Jurídicos: um dedo de prosa e um gole de justiça”, de Schleiden Nunes Pimenta.

SOBRE O AUTOR

Escritor premiado de obras acadêmicas e literárias, Schleiden veio das terras campobelenses e dos tortuosos e poéticos morros de Minas Gerais. Recentemente trouxe ao mundo seu primeiro filho, intitulado de "Contos Jurídicos: um dedo de prosa e um gole de justiça". Pesquisador nas áreas de Literatura, Direito e Filosofia, também é revisor de textos e atua como conciliador judicial.