Eu sou aquele sistema

eu-sou-aquele-sistema-litera-ok

Sou aquele que todos olham com quase mórbida curiosidade. Sou aquele que jamais deu certo. Sou aquele que paga o sangue com sangue. Sou aquele que mente quando digo que transformo – até transformo, mas não da maneira pretendida.

O flagelo, os suplícios, a pena capital, o desprezo, o abandono e a agonia: tudo isso já fui e ainda sou. Converteram-se em mim, naquilo que hoje sou. Já fui e não sou mais como outrora, dizem alguns, mas saibam que ainda carrego todas as minhas fases. Estão em mim. É o que sou. O destino dos desafortunados, dos inglórios, dos pecaminosos, dos indecentes, dos espúrios, dos desgarrados, dos malditos e dos desprezados me pertence.

Não ignorem a simbologia, o mito como esclarecimento, a história que sempre existe sob qualquer instituição. Tudo auxilia a compreender melhor. Atualmente, onde a informação está à disposição de quase todos, é fácil ir atrás de um entendimento mais abrangente. Não sou apenas aquilo que a mídia vende. Em verdade, há um contrassenso em assim eu dizer. Sou noticiado de modo preciso e indevido ao mesmo tempo. Digo que conseguem refletir minha podridão interna quando minhas vísceras são expostas, quando o câncer que em mim se alastra é mostrado aos espectadores, quando o descuido que me assola é escancarado. Mas dificilmente acertam quando tentam me explicar de modo salutar, quando a minha finalidade é demonstrada, quando narram os motivos da minha existência.

Não me vendam como mercadoria fosse. Cessem com os discursos pomposos sobre minhas estruturas. Acabem também com os discursos raivosos sobre os que me preenchem. Sou um fracasso. Jamais consegui atingir minha finalidade. Ainda assim continuam apostando em mim.

Aqueles que me fizeram são todos hipócritas, resultando num dos maiores hipócritas existentes: eu.

SOBRE O AUTOR

"Paulo Silas Filho é advogado paranaense. Possui especialização em Ciência Penais, em Direito Processual Penal e em Filosofia. Ama a leitura. A busca constante pelo saber gera em si o conhecido paradoxo de que "quanto mais se estuda, mais se percebe que muito pouco se sabe", o que apenas o motiva a ir além, e o caminho trilhado para tanto é o da apaixonante literatura!"