SALA DE CINEMA: Um dia na vida

UMDIANAVIDA

Esse texto não é uma crítica. Melhor do que criticar um filme, venho aqui compartilhar com vocês uma obra que gosto muito e que acredito que deveria ser conhecida por mais pessoas. Venho aqui para recomendar um filme que pouquíssima gente conhece. E embora isso seja um tanto óbvio quando se fala de cinema brasileiro, é contraditório com o próprio assunto abordado pelo filme que poucas pessoas o tenham assistido.

Com que frequência você vê televisão? Quais canais você assiste? Quais seus programas favoritos? Você vê TV aberta?

A televisão brasileira conta com, em média, 40 milhões de espectadores assistindo seus programas de maior audiência como a novela das nove ou o Jornal Nacional. Mas não são apenas esses programas de massivo consumo que conquistam milhares e milhares de brasileiros. Em uma sociedade onde a TV aberta é a cultura do povo, as principais emissoras abertas do país contam com uma programação cuidadosamente planejada. Pela manhã, programas destinados às donas de casa falando sobre alimentação, entretenimento e lazer. Ao medio o dia o primeiro jornal que traz assuntos mais leves para que o almoçam da família tradicional brasileira seja tranquilo. Durante a tarde, a primeira novela, um filme para as crianças e alguns programas gerais de censura livre. À noite, os jornais mais sérios, as novelas mais polêmicas e os reality shows.

Embora essa programação seja conhecida pela grande parte dos brasileiros, o quanto realmente você a conhece? Assistir televisão é algo comum no Brasil, porém uma experiência muitas vezes dispersa, distraída e automática. É comum deixarmos a TV ligada e irmos para a cozinha, atender o telefone, olhar alguma coisa no celular ou no computador. A TV é um membro a mais da casa e, como mais um integrante da família, sempre está lá, mas nem sempre é o centro das atenções. Porém ela está lá, muitas vezes tentando dizer algo importante, mas você nem sempre sendo ouvida.

Eduardo Coutinho ouviu. Seu filme “Um dia na vida” (2010) zapeia pelos principais canais do país desde as 8h da manhã até a madrugada do dia seguinte gravando trechos de programas que estamos acostumados a assistir. Porém, não se engane. Atentos à televisão, mas percebendo-a através de uma tela da cinema, a experiência dos espectadores se transforma completamente uma vez que são obrigados a assistirem a essa multiplicidade de programas sem levantar da cadeira.

Que programas a Record exibe as 9h da manhã? Quem o está assistindo? O que o SBT passa no mesmo horário que a novela da Globo? O que as crianças assistem quando são colocadas em frente a televisão nos horários em que seus pais estão no trabalho? Quem pensa, planeja e realiza os programas que estamos tão acostumados a assistir? Quais suas intenções?

O filme é um experimento social. Através dele, nossa sociedade se revela em suas múltiplas camadas e, aquela que é a maior diversão do cidadão brasileiro, fala mais da população do que somos capazes de imaginar. Sua atualidade também é impressionante. Simples em sua execução, porém preciso, o filme faz apenas o que deve fazer: ele mostra e permite que o espectador tire suas próprias conclusões.

Eduardo Coutinho, um dos principais cineastas brasileiros, não subestima o público. Desde “Cabra marcado para morrer” até “Jogo de Cena”, seus filmes dão voz a quem ninguém ouve e em “Um dia na vida” não é diferente. Dessa vez quem será ouvido serão aqueles que aparentemente tem toda a atenção possível, mas que nunca são completamente observados.

Não vale a pena falar muito. A própria televisão já fala por si mesma, a única coisa que temos que fazer é realmente prestar atenção.

PS: Se você gostou da dica, a barbada está aqui. O filme está disponível integralmente no youtube. Ou seja, não tem desculpa para não assistir.

Link: https://www.youtube.com/watch?v=j9vYJ74JGzg

SOBRE O AUTOR

Lucas é formado em Realização Audiovisual e mora em Porto Alegre :)