Especial mulheres: 6 autoras que marcaram a literatura

pagesd

Embora seja apenas uma data no calendário, o dia das mulheres é muito importante para relembrar as lutas pelas quais elas passaram ao longo dos anos (e ainda passam) para conquistarem seus direitos. Apesar de todos os avanços, é visível que ainda há um caminho bem longo para que a desvalorização da mulher deixe de ser realidade no mundo. Porém, mesmo com tantos percalços, muitas figuras femininas se destacaram e conseguiram mostrar às pessoas que, sim, elas podem realizar suas tarefas tão bem quanto – ou até melhor! – que os homens.

Na literatura, não é incomum encontrarmos autoras que desafiaram os padrões literários, quebraram barreiras e mudaram a vida de muitos leitores através de suas obras. Sendo assim, nada mais justo que relembrar algumas destas e suas contribuições para o mercado literário na semana das mulheres.

  • Virginia Woolf
  • o-virginia-woolf-facebook

Filha de um crítico literário, Virginia nasceu em janeiro de 1882, em Londres, e teve um papel muito importante no modernismo literário. Conhecida principalmente por sua obra Mrs Dalloway, em que retrata a vida da personagem Clarissa Dalloway, Woolf nos brinda com uma escrita profunda e intimista, além de questionar frequentemente o papel intelectual e social da mulher através dos vários artigos que escreveu. Entre suas obras, destacam-se Orlando, Ao farol, As ondas, Flush e Entre atos.

‘’O preço barato do papel é a razão por que as mulheres começaram por ter êxito na literatura, antes de o alcançarem noutras profissões.’’

  • Pagu

pagu4

Considerada uma das mulheres mais polêmicas do Brasil, Patrícia Rehder Galvão foi uma escritora e artista nascida em 1910. Famosa por ser uma mulher à frente de seu tempo, a autora escandalizou a sociedade com seus vestidos curtos e batom vermelho em uma época na qual as mulheres tinham a obrigação de passarem imagens conservadoras. Além de grande papel literário com romances como Parque Industrial e A Famosa Revista, Pagu escreveu romances policiais sobre o pseudônimo de King Shelter, trabalhou como jornalista e se aliou ao Partido Comunista Brasileiro, e foi presa e torturada durante a Ditadura.

“Lembro minha submissão absoluta. Não ao homem. Ao amor.”

  • Clarice Lispector

clarice_lispector

Clarice nasceu na Ucrânia, mas mudou-se para o Brasil ainda na infância. Dona de uma sensibilidade ímpar, possui obras repletas de personagens existencialistas e cenas comuns do nosso dia-a-dia. Dominava cerca de sete idiomas, o que a permitiu traduzir mais de trinta obras dos mais diferentes tipos. Considerada uma das maiores autoras brasileiras do século XX, teve seus livros traduzidos em mais de dez idiomas e ainda hoje permanece imortal. Entre seus escritos, os mais conhecidos são Felicidade Clandestina, A Hora da Estrela e A Paixão Segundo G.H.

‘’ E tenho, vos asseguro, tudo o mais que faz de mim uma mulher às vezes viva, às vezes objeto.’’

  • Chimamanda Adichie
  • Chimamanda-Ngozi-Adichie-Independent-700x350Referência na literatura africana contemporânea e conhecida na Internet por causa de suas palestras no TED, Chimamanda é autora dos livros Meio Sol Amarelo, Hibisco Roxo e Americanah, pelos quais recebeu inúmeros prêmios e elogios dos críticos. Em suas histórias, Adichie coloca em destaque questões raciais, feminismo e preconceito abordados de uma perspectiva diferente das que estamos acostumados a ler. Se você não conhece a palestra Sejamos todos feministas, recomendo: É um prato cheio para quem tem receio do tema, mas quer entendê-lo.

“Muita gente diz que a mulher é subordinada ao homem porque isso faz parte da nossa cultura. Mas a cultura está sempre em transformação. (…) A cultura não faz as pessoas. As pessoas fazem a cultura. Se uma humanidade inteira de mulheres não faz parte de nossa cultura, então temos de mudar nossa cultura.”

  • JK Rowling

This Oct. 16, 2012 photo shows author J.K. Rowling at an appearance to promote her latest book "The Casual Vacancy," at The David H. Koch Theater in New York. Rowling, the popular author of the "Harry Potter" series, spoke for just over an hour before a capacity crowd in her sole U.S. public appearance to promote her first novel for grownups. (Photo by Dan Hallman/Invision/AP)

Sim, a rainha da literatura juvenil tinha que estar aqui! Joanne Rowling, mais conhecida pelo pseudônimo JK Rowling, é a autora da série de livros Harry Potter, e mudou o modo como os editores e os leitores enxergavam a literatura para jovens nos anos 2000. Considerada pela Enciclopédia Britânica uma das 300 mulheres que mudaram o mundo, Joanne não só criou personagens femininas complexas e independentes como Hermione Granger, Bellatrix Lestrange e Minerva McGonagall, como inspirou diversas autoras de fantasia a tirarem suas ideias do papel e serem publicadas.

“Nunca se envergonhe, sempre existirão aqueles que serão contra você, mas eles não merecem a mínima atenção.”

  • Agatha Christie

British writer of crime and detective fiction, Dame Agatha Christie (1891 - 1976). (Photo by Walter Bird/Getty Images)

Nascida em 1890, na Inglaterra, Agatha Christie desafiou a vontade dos pais ao se dedicar à literatura em vez dos trabalhos tradicionais da época. Autora de mais de oitenta romances policiais, Christie é, de acordo com o Guinness, a romancista mais bem sucedida da história da literatura popular – considerando-se os seus mais de quatro bilhões de livros vendidos. Uma curiosidade sobre a autora é que, assim como em seus livros, ela desapareceu misteriosamente em 1926, mas foi encontrada um tempo depois em um hotel sob outro nome. O episódio carrega consigo várias teorias e mistérios, assim como as histórias que escreveu. Assassinato no Expresso Oriente, O Caso dos Dez Negrinhos, A morte no Nilo e Um Corpo na Biblioteca são algumas das obras da rainha do romance policial.

‘’A melhor hora para planejar um livro é enquanto lava-se a louça.’’


Revisado por Jay Araújo

SOBRE O AUTOR